NOTÍCIAS

Fique por dentro das novidades

Cinto de segurança: além de obrigatório é essencial

A segurança no trânsito é um assunto muito sério, que não pode ser negligenciado. Quando recebemos recomendações de conduta tanto para o motorista quanto para os passageiros, devemos dar a merecida importância. 
 
E um dos dispositivos mais lembrados pelas campanhas de conscientização é o cinto de segurança. É muito importante a sua utilização, no entanto, infelizmente, sabemos que muita gente não dá a devida importância para o item.
 
A importância do cinto de segurança
Quando se trata de segurança na hora de dirigir, não podemos dar mole e arriscar a nossa vida, não é mesmo? Afinal de contas, o carro é uma máquina um tanto quanto perigosa.
 
Por isso, a utilização do cinto de segurança é indispensável, seja qual for a ocasião. Tanto nas principais vias da cidade quanto dentro de um condomínio no interior do Estado, é obrigatória a utilização do cinto de segurança.
 
Os cintos de segurança são o principal instrumento de segurança para evitar danos de maior gravidade e até a morte em casos de acidentes. Para a proteção tanto do motorista quanto dos demais ocupantes do veículo, é importante utilizar o cinto de segurança em qualquer circunstância em que o automóvel estiver em movimento.
 
Cinto de segurança no banco de trás é importantíssimo!
De acordo com a Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) em uma pesquisa feita em 2015, 53% dos passageiros que andam no banco de trás não utilizam cinto de segurança. Ou seja, mais da metade das pessoas não dão a devida importância a sua segurança. 
 
Porém, ele pode reduzir em até 75% o número de morte em acidentes de trânsito. Estar na parte de trás do veículo não livra a pessoa de sofrer danos em ocorrências. Segundo dados do hospital de Brasília, Sara Kubitscheck, 30% das vítimas de acidentes atendidas pelo hospital estavam no banco de trás e — adivinhe — sem o cinto de segurança. Um simples detalhe pode se tornar um grande problema.
 
Inclusive, usar o cinto também implica na segurança das outras pessoas. Na hora do acidente, o passageiro é jogado para o banco da frente com um peso muito maior do que o habitual, podendo agravar o estado dos passageiros da frente.
 
Não tem jeito, o cinto precisa ser utilizado em qualquer situação de movimento! Não exigi-los aos ocupantes do veículo, principalmente crianças, é de uma irresponsabilidade enorme que pode resultar em acidentes e situações que ninguém deseja passar.
 
Quando devo trocar o cinto de segurança?
Como todo item dentro do carro, o cinto pode sofrer desgastes ou falhas e não ser mais confiável. E como é um item importante, pode colocar a segurança do motorista e passageiros em risco. 
 
Por isso, é importante sempre analisar o estado do item. Alguns sinais indicam que eles devem ser trocador:
 
– falhas no fecho, impossibilitando o travamento do item;
 
– travamento do cinto no compartimento que prende o acessório;
 
– rasgos no tecido. 
 
Em todas essas situações, você deve procurar um mecânico de confiança para realizar a troca.
 
Obrigatoriedade do cinto de segurança completou 20 anos
Em 2017 completou 20 anos da obrigatoriedade do cinto de segurança para qualquer ocupante de um veículo automotor. A medida visou tornar o trânsito mais seguro para os passageiros e, claro, para o motorista. No entanto, ainda nos dias de hoje, basta andar por uma hora em alguma grande avenida que avistamos pessoas sem o dispositivo.
 
Segundo a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), 97% das pessoas que andam no banco da frente utilizam o cinto — no âmbito mundial, o Brasil é um dos países líderes neste quesito. No entanto, na parte de trás do carro a situação se inverte: apenas 7% dos passageiros usam o dispositivo de segurança.
 
Os dados são preocupantes. Como dito antes neste post, o simples fato dos ocupantes do banco de trás utilizarem o cinto impediria boa parte das vítimas fatais da parte da frente. Em acidentes, as pessoas do banco de trás são, por causa do impacto, atiradas para os lados com um peso muito maior do que o habitual.
 
A obrigatoriedade do cinto, adotada nacionalmente há 20 anos, é, de fato, importantíssima e acertada em termos de segurança no trânsito. No entanto, falta uma reeducação da população nesse sentido, tendo em vista que, mesmo sendo lei, muita gente ainda declina o uso do cinto de segurança.
 
Usar o cinto de segurança só traz benefícios!
Enfim, já ficou bem claro o porquê usar cinto de segurança, não é mesmo? Prezar pela segurança dos ocupantes do veículo é necessário. Precisamos prezar pela nossa vida. Nesse sentido, diminuir os riscos de danos maiores resultantes de acidentes automobilísticos é um dos primeiros passos para uma reeducação do trânsito.
 
Cinto de segurança é obrigatório
É importante lembrar que, nos dias de hoje, a não utilização do cinto concede ao proprietário do veículo pontos na CNH e, consequentemente, multas. Além de evitar o desembolso de certa quantia para pagar a infração, o motorista dirigirá de forma muito mais confortável e concentrada em um ambiente seguro.
 
Utilizar o cinto de segurança é, também, uma forma de proteger a vida. Além de ser, por lei, obrigatório, é também um dever moral de cada cidadão. Acredite: você não irá querer passar por situações drásticas que poderiam ser evitadas pelo simples uso do dispositivo.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: InstaCarro

 

4 de dezembro de 2020

PRIMEIRA HABILITAÇÃO? BAIXE O NOSSO EBOOK