NOTÍCIAS

Fique por dentro das novidades

Saiba como vai funcionar exame de direção monitorado em Minas

Exames de direção monitorados por quatro câmeras e sistema de telemetria capaz de registrar uma lista de possíveis falhas no comando dos carros; redução do poder do examinador do Detran para avaliar o desempenho do candidato a motorista – e consequentemente da margem para decisões arbitrárias e eventuais desvios –; possibilidade de diminuição do número de examinadores envolvidos nos testes de direção. A lista de notícias aparentemente positivas para quem sonha com a carteira de habilitação em Minas – e tem como pesadelo um processo que reprova sete de cada 10 candidatos à categoria mais procurada no estado – vem acompanhada de uma informação não tão animadora: o preço do avanço tecnológico vai para o bolso do aspirante a condutor.
Continua depois da publicidade

A precisão da tecnologia de câmeras e da notificação eletrônica de falhas contra a subjetividade da avaliação dos examinadores promete ser a nova realidade dos exames de direção a partir deste ano. O Detran/MG espera que em quatro meses, contados a partir do fim de um período de testes que ainda deve levar cerca de 30 dias, todos os cerca de 1.720 centros de formação de condutores mineiros ofereçam o novo serviço. Ele será obrigatório e na prática representa a filmagem de todos os exames e aulas de direção, além de um sistema que consegue identificar eletronicamente erros praticados pelos candidatos.

Para um sistema que com frequência se vê questionado pela subjetividade do olhar do examinador e às vezes até por relatos de corrupção, o Detran aposta em mecanismos objetivos que retratem o que de fato acontece dentro dos veículos durante o exame. Para o departamento, isso pode até aumentar o percentual de aprovação nos quase 2,2 mil testes de direção que ocorrem todos os dias no estado. Em média, mais da metade dos candidatos às 905 mil provas de rua foram reprovados no ano passado, levando em consideração todas as categorias de habilitação. Considerando-se só a categoria B, dos carros de passeio, a aprovação se restringiu a 30% dos 651 mil exames do ano passado no estado. Além disso, o Detran ainda acredita que o novo sistema aponta para uma diminuição do número de examinadores dentro dos carros, já que hoje são dois que avaliam os candidatos. A perspectiva é que a tecnologia possibilite a redução para apenas um, liberando policiais para outras atividades.

O novo sistema representará um custo extra, devido ao serviço prestado pelas empresas que se credenciaram para oferecer a tecnologia. O valor será cobrando das autoescolas, que tendem a repassá-lo aos consumidores. O Detran argumenta que suas taxas continuarão as mesmas e o percentual de aumento será baixo, perto do benefício da tecnologia para a população. “O valor é ínfimo, considerando o investimento para aumento da segurança e preservação da vida”, diz o delegado João Marcelo de Paula Loureiro, coordenador de Administração de Trânsito do Detran.

Ontem, ele esteve acompanhado do diretor-geral do departamento, César Augusto Monteiro, e do chefe da Divisão de Habilitação, Ednelton Carraci, para apresentar a novidade. “Diminui consideravelmente a abertura para subjetividade. Os exames têm que ser feitos em cima de critérios objetivos. Nesse tipo de sistema, o que acontece é que, além do vídeo, teremos embarcado um sistema de tecnologia que notificará cada falha. Se a pessoa não colocou o cinto de segurança, não deu seta ao sair, deixou o motor do veículo morrer, isso tudo aparecerá nos tablets como notificações. Ali estará todo o critério objetivo”, diz José Marcelo de Paula Loureiro.
5 de abril de 2018